terça-feira, 12 de março de 2013

Sim, sou

Às vezes tenho receio de ser mal interpretada. Hoje alguém que me lê dizia que eu era exigente como mãe. Acho mesmo que o termo utilizado foi qualquer coisa como implacável. Anuí. De facto, actuo com base naquilo em que acredito. E se ser implacável é educar os meus filhos com coerência e valores, então sou. Exigente até à 5ª casa. Mas sou numa acepção diferente daquilo a que assisto. Não sou maníaca por resultados escolares, desempenhos extracurriculares e modelitos fashion. Mas faço questão de que os meus filhos cresçam com a consciência de que aquilo que importa é mais simples do que supõem.
Que a família está no topo. E que os amigos são a família do coração.
Que devemos cumprimentar quem nos dirige um olhar. E que um sorriso desperta outro sorriso.
Que uma prenda se abre, se aprecia e se agradece. E que dar é muito melhor do que receber.
Que a educação não se limita às habilitações. E que respeitar o outro é... A condição.
Que não se maltrata. E que não se diz aquilo que sabemos magoar, a menos que seja para ajudar.
Que a entreajuda ainda faz sentido. E que não vivemos sozinhos, numa quinta que é só nossa.
Que os pais tudo fazem pelo bem-estar dos seus filhos. E que eu- falsa terrorista- apenas pretendo prepará-los. E preparar é dizer não. É corrigir. É orientar. Com amor. Sempre.
Porque a felicidade não é aquilo que pensam.

28 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada! E sabe o que faço também muito bem? Ladro...
      Bjs

      Eliminar
  2. Um belo texto. Ainda há bem pouco tempo falei disto. Se todos s pais e mães pensassem assim, o mundo era muito mais bonito. Assusta-me ver pais que acham que meter os filhos num bom colégio, vesti-los xpto, e conseguir que tenham prestações escolares acima da média é o que ee melhor podem dar e ensinarcaos seus filhos, esquecendo quase sempre todos os outros valores de que falas no teu texto, e que são tão ou mais importantes.

    ResponderEliminar
  3. É tão fácil educar os filhos dos outros, não é?... Mantem-te fiel a ti a 'caga' no resto. Keep going. ;)

    ResponderEliminar
  4. Também acho que devemos ser exigentes, quem disciplina ama, quem ama cuida... enfim, pelo menos damos o nosso melhor. : )

    ResponderEliminar
  5. Fantástico texto!!! Revejo-me imenso nele e considero-o muito bem redigido. Obrigada!

    ResponderEliminar
  6. Antes uma mãe exigente do que uma mãe que se submete a todos os caprichos da criança.
    Uma mãe que faz a criança crescer com a ideia que é o centro do universo e que o mundo pára só para lhe prestar atenção. Que fazer birra é a melhor maneira de conseguir as coisas. Que um "não" dá lugar a um "sim" se houver muito choro e gritos. Que não vale a pena pensar nos outros porque não existe nada para além do seu próprio umbigo. Que a felicidade compra-se em qualquer loja e que o pai e mãe hão-de sempre conseguir dinheiro para a comprar. E que não se pode submeter a criança a nada relacionado com a realidade, porque isso pode traumatizar, e quiçá causar danos irreversíveis como torna-la menos egocêntrica, mais realista e humana...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E mesmo assim, é tão dificil... ;) Obrigada! Bjs

      Eliminar
  7. Vim aqui ter pelo Blog do Cócó e... o primeiro post que leio poderia ter sido escrito por mim (se soubesse escrever tão bem :) ). Revejo-me a 100% ... Que bom que há pessoas com valores semelhantes aos meus e que assim posso dizer que há esperança para a próxima geração.
    Bj
    AnaPinto

    ResponderEliminar
  8. Excelente, só assim faz sentido, só assim os ajudamos a crescer equilibradamente.

    Não conhecia o seu blog gostei muito e resolvi comentar.

    ResponderEliminar